BLUR

Blue Jeans

Air cushioned soles
i bought them in the Portabello road
on a saturday
i stop and stare a while
a common pastime when conversation goes astray
and don’t think i’m walking out on this
coz she don’t mind
whatever i say
whatever i say
i don’t really want to change a thing
i wanna stay this way forever………
blue, blue jeans
i wear them every day
theres no particular reason to change
my thoughts are getting banal
i cant help it but i wont pull out hair another day
you know it’s to be with you

Bee Gees

Por Quem O Sino Toca

Eu tropeço na noite,
Nunca soube realmente como teria sido,
Você não está mais lá para interromper minha queda.
A agonia por sua causa,
Eu cedi tudo a ela,
mas não conseguiria viver até o fim.
Eu nunca percebi os sinais,
Você é o último a saber quando o amor é cego.
Através das lágrimas e dos anos turbulentos,
Enquanto eu não esperaria por ninguém,
Não parei para olhar pra mim mesmo
E me ver perdendo você.
CORO:
Quando um coração solitário se quebra
É aquele que renuncia,
É o sonho que roubamos.
E eu estou sentindo mais sua falta
Do que a paixão que vai rugir.
Existe um buraco em minha alma,
Para você, é adeus,
Para mim, é chorar
Por quem o sino toca.
(Por mim)
Vi você numa revista,
Uma foto numa festa
onde você não devia estar,
Pendurada no braço de um outro alguém.
Ainda estou apaixonado por você,
Você não vai voltar para seu menininho triste?
Eu cheguei a sentir por dentro que
Este amor precioso nunca foi meu.
Agora eu sei, mas um pouco tarde demais,
Que eu não poderia viver sem você.
No escuro ou em plena luz do dia
Eu prometo que estarei lá.
CORO
Quando um coração solitário se quebra
É aquele que renuncia,
É o sonho que roubamos.
E eu estou sentindo mais sua falta
Do que a paixão que vai rugir.
Existe um buraco em minha alma,
Para você, é adeus,
Para mim, é chorar
Por quem o sino toca.
Eu nunca soube que haveria ocasiões como esta
Que eu não poderia estar em contato com ninguém
E eu nunca vou encontrar alguém
Que me conheça como você [me conhece].
Você está me abandonando, uma criança indefesa,
Quando tanto tempo levou para me salvar?
Enfrente o demônio e o profundo mar azul,
Eu te seguirei a qualquer lugar,
Eu prometo que estarei lá.
CORO
Quando um coração solitário se quebra
É aquele que renuncia,
É o sonho que roubamos.
E eu estou sentindo mais sua falta
Do que a paixão que vai rugir.
Existe um buraco em minha alma,
Para você, é adeus,
Para mim, é chorar
Por quem o sino toca.
Quando um coração solitário se quebra
É aquele que renuncia,
É o sonho que roubamos.
E eu estou sentindo mais sua falta
Do que a paixão que vai rugir.
Existe um buraco em minha alma….

Pale Blue Eyes

“Sometimes I feel so happy

Sometimes I feel so sad

Sometimes I feel so happy

But mostly you just make me mad

Baby you just make me mad

Linger on, your pale blue eyes

Linger on, your pale blue eyes

Thought of you as my mountain top

Thought of you as my peak

Thought of you as everything

I’ve had but couldn’t keep

I’ve had but couldn’t keep

Linger on, your pale blue eyes

Linger on, your pale blue eyes

If I could make the world as pure and strange as what I see

I’d put you in the mirror I put in front of me

I put in front of me

Linger on, your pale blue eyes

Linger on, your pale blue eyes

Skip a life completely, stuff it in a cup

She said money is like us in time

It lies but can’t stand up

Down for you is up

Linger on, your pale blue eyes

Linger on, your pale blue eyes

It was good what we did yesterday

And I’d do it once again

The fact that you are married

Only proves you’re my best friend

But it’s truly, truly a sin

Linger on, your pale blue eyes

Linger on, your pale blue eyes

II

II

 

Ritmado andar azul

e calculado

de um solene pavão

•— longa cauda em flor,

ad&rno de linguagem

e proteção.

 

Num grito gutural,

agudo como soluço do mundo,

o súbito apelo da solidão,

no corpo prolongado

de plumas e surpresas.

 

Ao ver-se observado

desabrocha em súbito arco-íris,

provando que a beleza

pode ser escudo iluminado

e que a vaidade

 

lhe confere uma auréola de certeza

na inutilidade.

 

Dentro da paisagem

cortada de pássaros

um voo se cala,

enquanto o pavão cintilante,

aberto em primavera,

caminha pela terra um orgulho

sincopado,

sabendo que a natureza

derramara nele

um gesto distraído e delicado,

no instante em que criava o verme

e sonhava a estrela.

GARAUDE, Lupe Cotrim.  Cânticos  da terra

Lupe Cotrim

Heart Of Glass

“Once I had a love and it was a gas

Soon turned out, I had a heart of glass

Seemed like the real thing, only to find

Mucho mistrust, love’s gone behind

Once I had a love and it was divine

Soon found out I was losing my mind

Seemed like the real thing, but

I was so blind  Mucho mistrust, love’s gone behind

In between, what I find is pleasing and I’m feeling fine,

love is so confusing there’s no peace of mind

If I fear I’m losing you  It’s just no good, you teasing like you do

Once I had a love and it was a gas

Soon turned out out I had a heart of glass

Seemed like the real thing, only to find

Mucho mistrust, love’s gone behind

Lost inside  Adorable illusion and I cannot hide

I’m the one you’re using, please don’t push me aside

We coulda made it cruising, yeah

Yeah, riding high on love’s true bluish light  

Once I had a love and it was gas

Soon turned out, it was a pain in the ass

Seemed like the real thing, only to find

Mucho mistrust, love’s gone behind”

 

MARIA

She moves like she don’t care

Smooth as silk, cool as air

Ooh, it makes you wanna cry

She doesn’t know your name

And your heart beats like a subway train

Ooh, it makes you wanna die

Ooh, don’t you wanna take her

Ooh, wanna make her all your own

Maria, you’ve gotta see her

Go insane and out of your mind

Latina, Ave Maria

A million and one candle lights

I’ve seen this thing before

In my best friend and the boy next door

Fool for love and full of fire

Won’t come in from the rain

She’s oceans running down the drain

Blue as ice and desire

Don’t you wanna make her

Ooh, don’t you wanna take her home

Maria, you’ve gotta see her

Go insane and out of your mind

Latina, Ave Maria

A million and one candle lights

Ooh, don’t you wanna break her

Ooh, don’t you wanna take her home

She walks like she don’t care

You wanna take her everywhere

Ooh, it makes you wanna cry

She’s like a millionaire

Walkin’ on imported air

Ooh, it makes you wanna die

Maria, you’ve gotta see her

Go insane and out of your mind

Regina, Ave Maria

A million and one candle lights”

 

Blondie

1941

“Well in 1941 a happy father had a son And by 1944 the father walked right out the door And in ’45 the mom and son were still alive But who could tell in ’46 if the two were to survive

Well the years were passing quickly But not fast enough for him So he close his eyes through ’55 And he opened them up again When he looked around he saw a clown And the clown seemed very gay And he set that night to join that circus clown and run away

{Scat solo}

Well he followed every railroad track An every highway sign And he had a girl in each new town And the towns he left behind And the open road Was the only road he knew But the color of his dreams Slowly turning into blue

The he met a girl the kind of girl He wanted all his life She was soft and kind and good to him So he took her for a wife And they got a house not far from town And in a little while The girl had seen the doctor And she came home with a smile

Now in 1961 a happy father had a son And by 1964 the father walked right out the door And in ’65 the mom and son were still around But what will happen to the boy When the circus comes to town”

Harry Nilsson

Old Blue Chair

“There’s a blue rocking chair
Sittin in the sand
Weathered by the storms and well oiled hands
It sways back and forth with the help of the winds,
Seems to always be there,like an old trusted friend

I’ve read a lot of books,
Wrote a few songs
Looked at my life where it’s goin, where it’s gone
I’ve seen the world through a bus windshield, but nothing compares
To the way that I see it,
to the way that I see it,
to the way that I see it when I sit in that old blue chair

From that chair I’ve caught a few fish and some rays 
And I’ve watched boats sail in and out of cinnamon bay
I let go of a lover that took a piece of my heart
I prayed many times for forgiveness and a brand new start

I’ve read a lot of books, 
Wrote a few songs 
Looked at my life where it’s goin,where it’s gone
I’ve seen the world through a bus windeshield, but nothing compares
To the way that I see it, to the way that I see it,
to the way that I see it when I sit in
that old blue chair

That chair was my bed one New Year’s Night 
When i passed out from too much malibu and Diet 
And woke up to a hundred mesquito bites, 
I swear got ‘em all sittin right there 
In that old blue chair

There’s a blue rockin chair 
Sittin’ in the sand
Weathered by the storms and well oiled handst”

♪ ♫ ♪

“He stumbled into faith and thought,
God, this is all there is
The pictures in his mind arose
And began to breathe
And all the gods in all the worlds
Began colliding on a backdrop of blue

Blue lips
Blue veins

He took a step but then felt tired
He said, i’ll rest a little while
But when he tried to walk again
He wasn’t a child
And all the people hurried past
Real fast and no one ever smiled

Blue lips
Blue veins
Blue, the color of our planet from far, far away

He stumbled into faith and thought,
God, this is all there is
The pictures in his mind arose
And began to breathe
And no one saw and no one heard
They just followed lead
The pictures in his mind awoke
And began to breed

They started off beneath the knowledge tree
Then they chopped it down to make white picket fences
They marched along the railroad tracks
And smiled real wide for the camera lenses
They made it past the enemy lines
Just to become enslaved in the assembly lines

Blue lips
Blue veins

Blue, the color of our planet from far, far away…

Blue…the most human color…

Blue lips
Blue veins
Blue, the color of our planet from far, far away…”

Regina Spektor

MÁRIO DE ANDRADE

“Aceitarás o amor como eu o encaro?…

…Azul bem leve, um nimbo, suavemente

Guarda-te a imagem, como um anteparo

Contra três móveis de banal presente.

.

Tudo o que há de melhor e de mais raro

Vive em teu corpo nu de adolescente,

A perna assim jogada e o braço, o claro

Olhar preso no meu, perdidamente.

.

Não exijas mais nada. Não desejo.

Também mais nada, só te olhar, enquanto

A realidade é simples, e isto apenas.

.

Que grandeza… A evasão total do pejo

Que nasce das imperfeições. O encanto

Que nasce das adorações serenas.”

 

In: SOARES, Angélica – Gêneros Literários.

♪ ♫ ♪ ♪ ♫♪ ♫ ♪ ♪ ♫

“Eu não sei

Se vem de Deus

Do céu ficar azul

Ou virá

Dos olhos teus

Essa cor

Que azuleja o dia…

 

Se acaso anoitecer

E o céu perder o azul

Entre o mar e o entardecer

Alga marinha, vá na maresia

Buscar ali um cheiro de azul

Essa côr não sai de mim

Bate e finca pé

A sangue de rei…

 

Até o sol nascer amarelinho

Queimando mansinho

Cedinho, cedinho (cedinho)

Corre e vá dizer

Pro meu benzinho

Um dizer assim

O amor é azulzinho…

 

Até o sol nascer amarelinho

Queimando mansinho

Cedinho, cedinho cedinho

Corre e vá dizer

Pro meu benzinho

Um dizer assim

O amor é azulzinho…”

DJAVAN

CARLOS PENA FILHO

Soneto do Desmantelo Azul

Então, pintei de azul os meus sapatos
por não poder de azul pintar as ruas,
depois, vesti meus gestos insensatos
e colori, as minhas mãos e as tuas.

Para extinguir em nós o azul ausente
e aprisionar no azul as coisas gratas,
enfim, nós derramamos simplesmente
azul sobre os vestidos e as gravatas.

E afogados em nós, nem nos lembramos
que no excesso que havia em nosso espaço
pudesse haver de azul  também cansaço.

E perdidos de azul nos contemplamos
e vimos que entre nós nascia um sul
vertiginosamente azul. Azul.”

                                                        

♪♪♪♪♪

 Daydream Believer

Oh I could hide
‘Neath the wings of the bluebird
As she sings
The six o’clock alarm would never ring…
But it rings and i Rise
Wipe the sleep out of my eyes
My shavin’ razor’s cold and it stings…

Cheer up, sleepy Jean
Oh, what can it mean…
To a daydream believer
And a homecoming queen…

You once thought of me
As a white Knight on a steed
Now you know how happy I can be…

Oh, and our good times start and end
Without dollar one to spend
But how much, baby, do we really need…

Cheer up, sleepy Jean
Oh, what can it mean…
To a daydream believer
And a homecoming queen…

Cheer up, sleepy jean
Oh, what can it mean…
To a daydream believer
And a homecoming queen…”

BERNARDO CARVALHO

“Os convidados começam a chegar. Não há nenhum crítico literário entre eles. Não faço ideia de quem sejam. Além da família da produtora, a maioria vem da televisão. Há cerca de trinta pessoas quando minha amiga e eu somos convidados a nos sentar no sofá azul-piscina, diante da plateia de convidados, simulacro do cenário do programa de televisão. Minha amiga deve me entrevistar e em seguida ler um trecho de um dos meus romances em alemão; eu lerei em português.”

 

in: Bernardo Carvalho: diário de Berlim - O sofá azul-piscina

♪♪♪

“O Trem Azul

Coisas que a gente se esquece de dizer
Frases que o vento vem as vezes me lembrar
Coisas que ficaram muito tempo por dizer
Na canção do vento não se cansam de voar
Você pega o trem azul
O sol na cabeça
o sol pega o trem azul
Você na cabeça
O sol na cabeça”

L.Borges/R.Bastos

PAULO MENDES CAMPOS

“O azul de Belo Horizonte, por exemplo. Que significação tem o azul da minha montanha? Em mim, dado a comparações livrescas, o azul de Belo Horizonte é puro azul de Mallarmé. Azul mallarmaico não define, antes amplia o segredo, enriquecendo-o de nuanças emocionais, tão mais abstratas quão mais real o seu vigor encantatório.”

♪ ♫ ♪♪♪♪ ♫ ♪♪♪

“Eu lembro da moça bonita
Da praia de Boa Viagem
E a moça no meio da tarde
De um domingo azul
Azul, era Belle de Jour
Era a bela da tarde
Seus olhos azuis como a tarde
Na tarde de um domingo azul
La Belle de Jour!…(2x)

Belle de Jour!
Oh! Oh!
Belle de Jour!

La Belle de Jour
Era a moça mais linda
De toda a cidade
E foi justamente prá ela
Que eu escrevi
O meu primeiro blues…

Mas Belle de Jour
No azul viajava
Seus olhos azuis como a tarde
Na tarde de um domingo azul
La Belle de Jour!…

La Belle de Jour!…

Eu lembro da moça bonita
Da praia de Boa Viagem
E a moça no meio da tarde
De um domingo azul
Azul, era Belle de Jour
Era a bela da tarde
Seus olhos azuis como a tarde
Na tarde de um domingo azul
La Belle de Jour!…(2x)

Belle de Jour!
Oh! Oh!
Belle de Jour!

La Belle de Jour
Era a moça mais linda
De toda a cidade
E foi justamente prá ela
Que eu escrevi
O meu primeiro blues…

Mas Belle de Jour
No azul viajava
Seus olhos azuis como a tarde
Na tarde de um domingo azul
La Belle de Jour!..

Ah hei! Ah hei! Ah hei!
Ah hei! Ah hei! Ah hei!…”

Alceu Valença

RIMBAUD

“A negro, E branco, I carmim, U verde, O azul:
vogais, de vós direi as matrizes latentes:
A, peludo corpete negro de luzentes
moscas volteando em pútrido, cruel paúl,

golfos de sombra; E, tendas, graça dos vapores,
lanças do gelo, brancos reis, tremor de umbelas;
I, púrp’ras, hemoptises, rir de bocas belas
na cólera, em remorsos embriegadores.

U, ciclos, vibrações divinas do verdeado
mar, paz dos apascentos, paz do enrugado
que a alquimia imprime às frontes sobre os fólios;

O, supremo Clarim, cheio de silvos fundos,
silêncios trespassados de Anjos e de Mundos:
— O de Ómega, raio violeta dos Seus Olhos.”

Rimbaud 

(Voyelles)

(Trad. Jorge Vilhena Mesquita)

♪ ♫ ♪♪♪ ♫ ♫

“Hoje eu acordei com sono e sem vontade de acordar
o meu amor foi embora e só deixou pra mim
um bilhetinho todo azul com seus garranchos
Que dizia assim “Chuchu vou me mandar!”
é eu vou pra Bahia (pra bahia) talvez volte qualquer dia
o certo é que eu tô vivendo eu tô tentando Uuu!!!

Nosso amor, foi um engano

Hoje eu acordei com sono e sem vontade de acordar
Como pode alguém ser tão demente, porra louca
inconsequente e ainda amar, ver o amor
como um abraço curto pra não sufocar
ver o amor como um abraço curto pra não sufocar”

Barão Vermelho – Frejat

VINICIUS DE MORAES

“Concha e cavalo-marinho
Mote de Pedro Nava

I

Massas geométricas
Em pautas de música
Plástica e silêncio
Do espaço criado.

Concha e cavalo-marinho.

O mar vos deu em corola
O céu vos imantou
Mas a luz refez o equilíbrio.

Concha e cavalo-marinho.

Vênus anadiômena
Multípede e alada
Os seios azuis
Dando leite à tarde
Viu-vos Eupalinos
No espelho convexo
Da gota que o orvalho
Escorreu da noite
Nos lábios da aurora.

Concha e cavalo-marinho.

Pálpebras cerradas
Ao poder violeta
Sombras projetadas
Em mansuetude
Sublime colóquio
Da forma com a eternidade.

Concha e cavalo-marinho.

II

Na verde espessura
Do fundo do mar
Nasce a arquitetura.

Da cal das conchas
Do sumo das algas
Da vida dos polvos
Sobre tentáculos
Do amor dos pólipos
Que estratifica abóbadas
Da ávida mucosa
Das rubras anêmonas
Que argamassa peixes
Da salgada célula
De estranha substância
Que dá peso ao mar.

Concha e cavalo-marinho.

Concha e cavalo-marinho:
Os ágeis sinuosos
Que o raio de luz
Cortando transforma
Em claves de sol
E o amor do infinito
Retifica em hastes
Antenas paralelas
Propícias à eterna
Incursão da música.

Concha e cavalo-marinho.

III

Azul… Azul…

Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco

Concha…

               e cavalo-marinho.”

 

♪♪♪ ♫ ♫

“No one knows what it’s like
to be the bad man
to be the sad man
behind blue eyes
and no one knows
what it’s like to be hated
to be faded to telling only lies but my dreams they aren’t as empty
as my conscious seems to be
I have hours, only lonely
my love is vengeance
that’s never free

no one knows what its like
to feel this feelings
like I do, and I blame you!
no one bites back as hard
on their anger
none of my pain woe
can show through

but my dreams they aren’t as empty
as my conscious seems to be
I have hours, only lonely
my love is vengeance
that’s never free

discover l.i.m.p. say it (x4)

no one knows what its like
to be mistreated, to be defeated
behind blue eyes
no one know how to say
that they’re sorry and don’t worry
I’m not telling lies

no one knows what its like
to be the bad man, to be the sad man
behind blue eyes.”

Limp Bizkit

 
 

MANUEL DE BARROS

“Difícil fotografar o silêncio.
Entretanto tentei. Eu conto:
Madrugada a minha aldeia estava morta.
Não se ouvia um barulho, ninguém passava entre as casas.
Eu estava saindo de uma festa.
Eram quase quatro da manhã.
Ia o Silêncio pela rua carregando um bêbado.
Preparei minha máquina.
O silêncio era um carregador?
Fotografei esse carregador.
Tive outras visões naquela madrugada.
Preparei minha máquina de novo.
Tinha um perfume de jasmim num beiral de um sobrado.
Fotografei o perfume.
Vi uma lesma pregada mais na existência do que na pedra.
Fotografei a existência dela.
Vi ainda azul-perdão no olho de um mendigo.
Fotogafei o perdão.
Vi um paisagem velha a desabar sobre uma casa.
Fotografei o sobre.
Foi difícil fotografar o sobre.
Por fim cheguei a Nuvem de calça.
Representou pra mim que ela andava na aldeia de braços com Maiakovski – seu criador.
Fotografei a Nuvem de calça e o poeta.
Ninguém outro poeta no mundo faria uma roupa mais justa para cobrir sua noiva.
A foto saiu legal.”

in Ensaios Fotográficos

♪ ♫ ♪

“Blue Avenue

I gotta quit this habit

It’s like some drug for you

You’ve been my sweet, sweet addict

I’ve been your little white boy blue

 

You’ve got the same obsession

We ain’t no cat and mouse

You linger on my lips like confession

You laid the traps in this house

 

Chorus: And it’s no use, each way we lose

You and me at the crossroads of Blue Avenue

Hit and run hearts collide here

True love passes through

Looks like we’ve got a wreck babe

Up on Blue Avenue

Up on Blue Avenue

Blue Avenue

 

Two hearts get entangled

Dirty minds they go to town

Everyone’s got an angle

Little lies get spread around

 

Let them say what they want

You and me we already knew

Takes more than hocus pocus babe

to save you from Blue Avenue

 

And it’s no use, each way we lose

You and me at the crossroads of Blue Avenue

Hit and run hearts collide here

True love passes through

Looks like we’ve got a wreck babe

Up on Blue Avenue

Up on Blue Avenue

Blue Avenue”

Elton John

CLARICE LISPECTOR

“– Para vermos o azul, olhamos para o céu. A terra é azul para quem a olha do céu. Azul será uma cor em si, ou uma questão de distância? Ou uma questão de grande nostalgia? O inalcançavel é sempre azul.”

in Cosmonauta na terra

♪♪♪ ♫ ♫

“Almost blue
Almost doing things we used to do
There’s a girl here and she’s almost you
Almost
All the things that your eyes once promised
I see in hers too
Now your eyes are red from crying

Almost blue
Flirting with this disaster became me
It named me as the fool who only aimed to be

Almost blue
It’s almost touching it will almost do
There’s a part of me that’s always true… always

Not all good things come to an end now, it is only a chosen few
I have seen such an unhappy couple

Almost me

Almost you

Almost blue”

Chet Baker

 

FERREIRA GULLAR

“mar azul
mar azul
mar azul marco azul
mar azul marco azul barco azul
mar azul marco azul barco azul arco azul
mar azul marco azul barco azul arco azul ar azul”

in TODA POESIA (1950\1980) pág.163

YVES KLEIN

 

 

 

 

 

 

1 – Yves Klein, vista da instalação Yves Klein: With the Void, Full Powers. ©2010 Hirshhorn Museum and Sculpture Garden. © Artists Rights Society, New York/ADAGP, Paris. Photo by Lee Stalsworth.

2,3 – Viena, Áustria: Visitante olha pinturas do artista francês Yves Klein, durante a exposição “A Revolução Azul” no museu MUMOK em Viena, 2007.

4 - Disque Bleu – 1957

5 - Yves Klain – 1961